sexta-feira, 4 de julho de 2008

De cara lavada - 177 - Martha Medeiros


(Tela de Frida Khalo)
.
.
hoje me desfiz dos meus bens
vendi o sofá cujo tecido desenhei
e a mesa de jantar onde fizemos planos
.
o quadro que fica atrás do bar
rifei junto com algumas quinquilharias
da época em que nos juntamos
.
a tevê e o aparelho de som
foram adquiridos pela vizinha
testemunha do quanto erramos
.
a cama doei para um asilo
sem olhar pra trás e lembrar
do que ali inventamos
.
aquele cinzeiro de cobre
foi de brinde com os cristais
e as plantas que não regamos
.
coube tudo num caminhão de mudança
até a dor que não soubemos curar
mas que um dia vamos
.

3 comentários:

Dois Rios disse...

A dor maior é ver que no caminhão cabe, além dos planos da vida a dois, um amor machucado,um sonho desfeito e uma ilusão perdida. A dor da perda vai numa caixa especial aonde o tempo demora muito a agir.
Beijo,

JAMES PIZARRO disse...

Oi, guriazinha !

Grande blog...belos textos, reveladores de extraodinária sensibilidade. Morei em Curitiba 3 anos, quando fazia meu curso de pós-graduação na UFPr, provavelmente nem tinhas nascido...rsssssss
Adorei conhecer teu blog.
beijo

James Pizarro

Davi Cartes Alves disse...

É tão bom retornar aqui Renata. Tudo tão lindo. Essas palavras de luz e magia, e essas imagens, em que sonhos voce traz??
Beijo Querida