terça-feira, 25 de novembro de 2008

Cogito - Torquato Neto


(Tela de Portinari)
,
.
eu sou como eu sou
pronome
pessoal intransferível
do homem que iniciei
na medida do impossível
.
eu sou como eu sou
agora
sem grandes segredos dantes
sem novos secretos dentes
nesta hora
.
eu sou como eu sou
presente
desferrolhado indecente
feito um pedaço de mim
.
eu sou como eu sou
vidente
e vivo tranquilamente
todas as horas do fim.
.

Um comentário:

Gleidston dias disse...

Maravilhoso poema em rimas,prosa e lírico na sua essencia,parabéns.
adorei,bjs!!!