quarta-feira, 4 de março de 2009

O sal da língua - Eugénio de Andrade



(Tela de Paulo Ferreira)

.Escuta, escuta: tenho ainda
uma coisa a dizer.
Não é importante, eu sei, não vai
salvar o mundo, não mudará
a vida de ninguém - mas quem
é hoje capaz de salvar o mundo
ou apenas mudar o sentido
da vida de alguém?
Escuta-me, não te demoro.
É coisa pouca, como a chuvinha
que vem vindo devagar.
São três, quatro palavras, pouco
mais. Palavras que te quero confiar,
para que não se extinga o seu lume,
o seu lume breve.
Palavras que muito amei,
que talvez ame ainda.
Elas são a casa, o sal da língua.
.

5 comentários:

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Na margem do mundo
além dos meus olhos,
Belo,
Sei que o exílio será sempre
verdejante de esperança,
O rio,
Que não podemos atravessar
corre eternamente.
(Samuel Menashe)

Tenha um lindo final de semana cheio de amor e paz no coração
Abraços: Eduardo Poisl

Eliana Mara Chiossi disse...

Gostei do seu espaço. Você é uma pescadora de pérolas.


Beijos e bom final de semana

Chica disse...

Lindo,Renata! palavras que dizem muito!Não precisam ser muitas, poucas servem! um beijo,Chica

eva disse...

Escolhas que temperam também o nosso dia-a-dia.
O sal das palavras que tantas vezes nos confunde, tantas vezes nos ilumina...
Uma boa semana

Renata de Aragão Lopes disse...

Nome, formação acadêmica e poesia - notei que, em essência, somos bem parecidas! rs

Cheguei ao seu blog através de outro. E que bom! Gostei muito do que encontrei.